Sociedade Alternativa
veja o mundo com seus próprios olhos

Seventh Son of a Seventh Son

Vale a pena falar um pouco sobre este que é pra mim o melhor album conceitual de todos os tempos…Segundo relatos, o sétimo filho do sétimo filho, seria o todo poderoso, o profeta, o futuro messias ou o anticristo. É dito que quando ele nasce, tem poderes infinitos que vão se aperfeiçoando ao longo do tempo, e tanto o bem quanto o mal tentariam controlá-lo. Se o bem conseguisse manipulá-lo, o mundo viveria em um tempo de paz e prosperidade enquanto ele estivesse vivo. Caso contrário, as trevas tomarão conta e enquanto ele estiver vivo, a destruição e a desgraça serão as contadoras de suas façanhas. Após a sua morte, tudo tenderia a voltar ao normal, porém um grande tempo seria necessário.Há quem diga que isso só passa de lenda, folclore ou coisa parecida, mas a quem diga que isso é verdade e relatam uma era bem mais antiga que a própria barreira mágica desconhece.
Por se tratar de poderes fora do normal a lenda chegou a ser distorcida, e muitos acreditavam que um sétimo filho de um sétimo filho tinha tendências a se tornar um vampiro. Em outras lendas mais distorcidas ainda, acreditava-se que ele seria um lobisomem.O livro de Orson Scott Card:Sobre o livro, o jovem Alvin é o personagem central da história. Ele é o sétimo filho do sétimo filho. Tal nascimento envolve grande poder mágico, sendo que tal garoto está destinado a algo grande, quem sabe até a se tornar um “Criador”.Na idade dos seis anos, Alvin não parece ter nenhum talento especial, a não ser sua habilidade em trabalhar com madeira e pedras, seu jeito com animais, entre outras coisas.

Mas Alvin tem sim algo de especial, e mesmo vivendo em segurança com sua família, forças negras podem atingí-lo com o propósito de destruí-lo.

É assim que este livro começa, e é o primeiro dentre outros do mesmo autor em que o personagem Alvin aparece. (Podemos destacar também o livro “Alvin Journeyman”, no qual alguns fãs acreditam ter inspirado a 1ª música totalmente acústica do Iron Maiden).

O álbum:

1 – Moonchild

Antes de começar a música propriamente dita, Bruce Dickinson recita um pequeno texto que no meu ver, é muito importante para o desenrolar do cd e no final do álbum o mesmo trecho é recitado com uma pequena mudança, que quando eu chagar lá essa mudança será explicada e melhor entendida.

Antes de começar a falar sobre a música, é necessário também saber um pouco do tema do álbum. Além do título (Seventh Son of a Seventh Son) a palavra Seventh Son se repete por várias vezes em muitas músicas do álbum. Na verdade o 7th son é um menino, que nasceu com poderes semelhantes aos de Jesus, e o capeta quando soube que o menino foi enviado à Terra, procurou de qualquer forma eliminá-lo ou persuadi-lo para o mal caminho.

E é exatamente isso que é falado em Moonchild, primeiro vamos ao trecho que o Bruce canta antes da música, que foi citado anteriormente: “Sete pecados mortais/ Sete maneiras de vencer/ Sete atalhos sagrados para o inferno…e sua jornada começa/(…) Sete são os seus fogos queimantes/ Sete são os seus desejos”.

Esse trecho mostra a ganância de uma pessoa (desejos, vencer) e esses são os atalhos para o inferno, ou seja, para a perdição.
Bom, agora a sua jornada começa e então começa Moonchild. Como falado anteriormente, quando o capeta soube do envio do sétimo filho à Terra, a sua intenção de início era eliminá-lo a qualquer custo, então ele mataria todas as crianças nascidas na mesma época que o Sétimo Filho. Isso fica bem claro no começo da música: “Não se importe de salvar o seu filho/ Mate-o agora, e salve os (outros) jovens/ Seja uma mãe de um bebê estrangulado/ Seja o próprio mal, LÚCIFER é o meu nome” (o recado seria para a mãe do 7º filho do 7º filho).

No 1º refrão da música tem um trecho interessante “Moonchild – Abra o sétimo selo”, na última música do cd e com o desenrolar das outras músicas esse sétimo selo será explicado melhor.

Na segunda parte da música, Lúcifer continua à sua procura mas não tem muito sucesso, com isso ele faz ameaças ao Sétimo filho e que ele se arrependerá de ter nascido, por assim dizer: “E se você tentar salvar sua alma/ Eu vou te atormentar, você não vai crescer/ A cada segundo e a cada respiração/ Você se sentirá solitário sua alma vai sangrar até a morte”.

No segundo refrão é acrescentada mais duas frases: “Moonchild – Você será meu em breve/ Moonchild – Pegue minha mão esta noite”. Isso já mostra que Lúcifer quer agora que o Sétimo Filho se alie a ele, devido ao seu insucesso na captura. A partir daí começa uma briga entre o bem e mal, para conquistar o Sétimo Filho: “Sete anjos, sete demônios, batalhando por sua alma…” .

E pra finalizar a música, como a busca de Lúcifer pelo sétimo filho não deu certo, mas ainda assim continua matando crianças inocentes, ele faz a última ameaça: “Mais um morre mais um vive/ Um bebê chora, uma mãe se lamenta/ Para todos os pecados que você irá cometer/ Sua alma pedirá perdão e eu não te darei(…)/ Uma escapada de sorte para você, homem jovem/ Mas eu te vejo amaldiçoado no final da noite”. Ou seja o Sétimo filho vai ser conhecido mais pra frente como um pecador e um traidor.

2-Infinite Dreams

O Sétimo filho já nasceu, só que ele ainda não tem conhecimento de seus poderes, até agora. Infinite Dreams mostra o começo de seus poderes, mas eles não estão controlados completamente. Seus poderes de clarividência começam a se manifestar através dos seus sonhos, mas isso para ele é um pesadelo: “Salve-me de minha própria tortura dentro de meus sonhos”, pois como ele não consegue controlá-los direito, ele acha que está ficando louco e indeciso: “Sonhos infinitos, eu não posso negá-los/ Infinidade, é difícil de compreendê-la (…) / Com medo de cair no sono de novo, no caso do sonho começar de novo”.

Com tantos poderes assim, qualquer pessoa sentiria a ganância, a vontade de usá-los para fins egoístas (lembram das “Sete maneiras de vencer/ Sete são os seus desejos”?). Só que todas as pessoas tem o lado Bom e o lado Ruim, então ele ainda não se entrega à tentação “É difícil para mim/ Estou com medo de dormir/ Mas com mais medo de acordar nas profundezas”.
Com certeza Infinite Dreams é uma das letras mais belas do cd, e uma das mais difíceis de interpretar. O modo como ela é cantada, parece que é o próprio Sétimo Filho cantando a sua agonia. Os próximos trechos relatam o vai e volta do sétimo filho para os dois lados (o bem e o mal no caso), basta ler pra entender: “Até os pensamentos alcançam novas alturas/ Eu preferiria gostar das noites intermináveis/ Me faz perguntar, me faz sentir/ Que há mais que isso, estou na beirada. / Não é o medo do que existe além disso/ É apenas o que eu não consigo responder/ Eu tenho um interesse, quase ardente/ Mas eu gostaria de ir tão longe?/ Não pode ser tudo uma coincidência/ Muitas coisas são evidentes/ Você me diz ‘ Você é um desacreditado!’/ Espírita? Bem, também não sou/ Mas você não gostaria de saber a verdade?/ E achar lá fora para ter a prova? / E encontrar finalmente de qual lado você está/ Aonde quer terminar? No Céu ou no Inferno?”. E depois dessa parte Bruce Dickinson solta um grito de como se fosse o do Sétimo Filho desesperado, sem saber o que fazer.

No final da música, o Sétimo filho ainda se pergunta qual lado tomar, mas já demonstra certa vontade de se encaminhar para o mal.

3 – Can I Play With Madnnes

Agora que o Escolhido já tem noção de seus poderes de previsão, nada melhor do que procurar um profeta para responder às suas dúvidas. A música já começa com a pergunta de seu título (Posso brincar com a Loucura?).

Como já dito antes o Sétimo filho encarava seus poderes como loucura. E pra tirar suas dúvidas ele já vai falando para o profeta: “Me dê o senso de perguntar, de perguntar se já sou livre/ Me dê o senso de perguntar, para saber se eu já posso comigo”. E explica ao profeta sua história bem resumida, e que quer logo tirar esse peso das costas: “Não preciso de uma chave para esta porta trancada/ Quero quebrar os muros/ Sair deste lugar Ruim”, e depois faz suas perguntas: “Posso brincar com a loucura? – O profeta parou diante da bola de cristal” então ele pergunta novamente: “Posso brincar com a loucura? – Não há visões afinal” insatisfeito com a resposta do profeta ele pergunta de novo em seguida: “Posso brincar com a loucura? – Ele disse que eu era cego demais para ver!”. Depois disso Bruce canta uma parte que não está na letra: “Oh! Ele disse que eu era cego demais para ver” como quem quisesse dizer: “Ele não sabe com quem está falando” seguido de um sussurro: “hummmm”, que seria o Sétimo filho pensando: “vou mostrar pra ele quem realmente eu sou”.
Como o Sétimo filho tem poderes especiais, foi fácil para ele ver que o profeta estava mentindo, e então ele narra: “Eu gritei alto para o velho/ Eu disse ‘não minta, não diga o que não sabe'”, e o profeta com raiva da audácia dá o troco, narrado pelo Sétimo filho: “Ele disse – você quer saber a verdade? Eu te direi a verdade, sua alma vai queimar no lago de fogo”. Depois vem todo o refrão de novo e Bruce canta outra parte da música que não está na letra: “Me escute! O profeta sou eu!”, que seria o profeta respondendo às ofensas do Sétimo filho, ainda com raiva. E como o Sétimo Filho não obteve sua resposta, a música termina com a mesma pergunta do início.

4 – The Evil That Men Do

The Evil That Men do é baseada em um romance de Shakespeare, no qual tem uma frase: “A bondade que os homens fazem, são enterradas junto com seus ossos. Mas o mal que os homens fazem, sobrevive eternamente..”. Tal frase foi falada por Bruce no Rock In Rio 3 antes dessa música ser executada.

O que caiu como uma luva para a temática do cd, e melhor ainda, ela está justamente na fase em que o Sétimo filho se sente dividido entre o bem e o mal. A música fala sobre como a humanidade pode ser má. Ele se apaixona pela filha do profeta da música passada, e o profeta acaba por assassinar a própria filha, pois tinha medo que ela se juntasse ao Sétimo filho, e como o profeta já sabia do destino dele, resolveu que a filha não poderia entrar no mesmo destino que o dele: “Dormi com a sua filha na lama/ Com seus olhos vermelhos do esquartejamento por sua inocência”.
Demonstrando toda a sua paixão pela sua “namorada”, o Sétimo filho se lamenta e preferia ter ido no lugar dela “Eu sangraria por ela/ Se eu pudesse vê-la agora”. E depois mais uma vez demonstra a sua incerteza sobre seu caminho “Vivendo no fio da navalha/ Balançando no limite”.

Isso foi o estopim para que o sétimo filho decidisse de qual lado estaria, e o quase total controle de seus poderes: “Círculo de fogo, parece que meu batismo está chegando ao final(…)/ O livro da vida se abre diante de mim.” E ciente de que estava chegando perto de dominar seus poderes, ele faz a última oração à sua amada: “E eu rezarei por você/ Algum dia eu posso retornar/ Não chore por mim/ Foi no além que eu aprendi.” Esse ‘além’ significa que ele atingiu o total controle de seus poderes, ali ele aprendeu a controlá-los, e é aí que a música acaba.

5 – Seventh Son of a Seventh Son

Até agora eu não tinha mencionado em nenhuma das músicas anteriores a sua parte instrumental, pois eu estava mais preocupado com a interpretação da letra, mas terei que abrir uma exceção para essa música. Primeiro, porque é a mais longa do álbum, segundo porque ela é um elo de ligação entre as quatro primeiras músicas e as outras três que virão, e terceiro, porque é uma música diferente de todas as outras no álbum, em termos instrumentais.

Bom, a música começa com uma introdução bem simples, mas o teclado (que parece ser um coral de anjos) é que deixa essa introdução linda. Esse clima todo é porque nessa música será feita a realização da profecia, o Sétimo filho finalmente conseguirá controlar seus poderes. As duas primeiras estrofes da música falam respectivamente sobre “Moonchild” e “Infinite Dreams”. Ou seja, Bruce dickinson narra a trajetória do Escolhido: “Aqui aguardam o nascimento do filho/ O Sétimo, o abençoado, o escolhido” essa parte da música fala sobre Moonchild. “Nascido o curador, o Sétimo de seu tempo/ Vagarosamente seus poderes vão aparecendo” referência a Infinite Dreams, na qual os poderes do Sétimo filho começa a aparecer em seus sonhos.
A terceira estrofe narra a sua trajetória em “Can i Play With Madnnes?” e em “The Evil that Men Do”, os momentos em que ele estava indeciso sobre seus poderes: “Então eles observam o progresso que ele faz/ O Bom e o Mal, que caminho seguirá?/ Ambos tentando manipulá-lo/ O uso de seus poderes antes que seja tarde”.

Depois de narrar as várias fazes do Sétimo filho, então é hora de narrar a profecia se concretizando, o total controle sob seus poderes, então depois do refrão a música ganha um clima incrível. O baixo é quem dita a música, as guitarras quase inaudíveis junto com o teclado deixam um clima de que naquele momento a profecia está se concretizando, então Bruce narra:

“Hoje nasceu o Sétimo” – o que nasceu foram os seus poderes
“Nascido de uma mulher, o Sétimo Filho” – nasceu de um humano
“E ele se tornou o Sétimo Filho” – ele finalmente controlou seus poderes
“Ele tem o poder da cura/ Ele tem a presença do segundo sinal/ Ele é o escolhido” – narração do que ele é capaz
“Que assim esteja escrito” – a profecia foi escrita
“Que assim seja feito” – Que a profecia se realize…nas próximas músicas!

Depois dessa narração, o clima da música ainda é tenso, então entra um coral de anjos, como se naquele exato momento o Sétimo Filho estivesse fazendo as suas próprias previsões. Então aí é que entra o solo, que na minha interpretação é como se fosse uma batalha entre o Bem e o Mal. O solo começa rápido e agressivo, os solos de guitarra são rápidos, e toda essa agressividade parece ser todo o poder do Mal, mas em um determinado momento do solo, novamente entra o coral de anjos rebatendo os ataques do mal. O coral é acompanhado das guitarras pesadas, mas o teclado deixa a música mais tranqüila, e a partir desse momento as guitarras entram em harmonia e a música fica mais tranqüila com toda a força do bem. E assim termina essa grande música!

6 – The Prophecy

Agora que o Sétimo filho tem o total controle sob seus poderes, é hora de ele próprio fazer suas profecias “Agora que eu sei que meu tempo correto chegou/ Minhas previsões com certeza serão verdadeiras”.

Consciente de que vai usar seus poderes para o bem, o Sétimo filho prevê a queda do império e resolve alertar a população. Porem, ninguém acredita nele, achando que ele é apenas mais um falso profeta, o que era muito comum na época “O disastre do império se aproxima/ E toda a vila está ameaçada/ Porque vocês não me escutam?/ Isso é tão difícil de entender?/ Que eu sou o real Sétimo Filho/ Suas vidas ou mortes dependem de mim”

Isso levou ao Sétimo filho ser um pecador, como Lúcifer previu na primeira música Moonchild: “Por todos os pecados que você irá cometer…”.

“Lúcifer sorri, olha e espera”, essa frase na música indica que Lúcifer já está prevendo a queda o Sétimo filho, que desesperado ainda tenta convencer a população de que suas previsões estão certas: “Eu tenho suas vidas em minhas mãos/ Seus destinos e suas fortunas em minhas visões/ Escute o que eu tenho a dizer e vejam o que acontecerá/ Por favor me escutem!”. E então começa o solo da música, como se o desastre que o Sétimo filho previu estivesse acontecendo. Quando o solo acaba, o desastre já tinha terminado e o Sétimo filho sofreu as conseqüências. Essa música é muito simples de interpretar, basta ler: “Agora que eles viram que o desastre está feito/ Todos botaram a culpa em mim/ Eles sentem que eu construí uma maldição”, e o Sétimo Filho percebe que foi amaldiçoado por Lúcifer: “Eles não sabem o que é o medo/ Eles não percebem que eu sou o único almadiçoado”.

“Agora Lúcifer ri, o inferno aguarda”, essa frase agora mostra que Lúcifer tem certeza do que irá acontecer ao Sétimo Filho, suas previsões que ninguém acreditaria nele se concretizaram, e o Sétimo decepcionado com a população, começa a levar seus poderes para o lado do mal: “Eu tive as vidas deles em minhas mãos/ Seus destinos e fortunas em minhas visões/ Ninguém acreditou na minha verdadeira profecia/ Agora é muito tarde”.

7 – The Clairvoyant

Com a sua última decisão, o Sétimo filho começa a aumentar muito os seus poderes, mas aumenta tanto, que o seu medo em Infinite Dreams e em Can I Play With Madnnes, começa a acontecer de fato. Ele começa a ficar louco e não consegue mais controlar seus poderes direito: “Sinto o suor descendo pela minha testa/ Sou eu ou são sombras que estão dançando nos muros/ Isso é um sonho, ou é verdade?/ Isso é uma visão que normalmente eu vejo ante de meus olhos?”. Isso é um sonho ou é verdade. Essa frase mostra o quanto ele está perdendo o controle, não sabe mais distinguir uma visão de uma realidade.

“Eu pergunto porque, eu pergunto como/ Parece que meus poderes estão mais fortes a cada dia/ Eu sinto uma força, um fogo ardente/ Mas estou com medo, eu não controlarei mais isso”. Mais uma vez ele se questiona, agora ele perdeu o controle total de seus poderes e a loucura está dominando cada vez mais sua mente, ele tenta lutar contra mas é inútil. O final da música narra tudo o que ele foi capaz, de prever o futuro, ver mentiras e verdades, mas a única coisa que ele não podia prever era a sua própria morte devido aos seus poderes: “Mas para todo o seu poder ele não pode prevê seu próprio legado”.

8 – Only The Good Die Young

“O demônio na sua mente irá te capturar na sua cama à noite”. Reparem se essa primeira frase não bate certinho com a última frase da primeira música Moonchild em que Lúcifer fala: “Mas eu te vejo amaldiçoado no final da noite”. Com a loucura total o Sétimo Filho está morrendo, a loucura se deve ao fato de ele ter escolhido o lado mal para manifestar seus poderes, devido que ninguém acreditou na sua profecia e como em Infinite Dreams ele estava indeciso se iria pro bem ou pro mal, não foi nenhuma surpresa ele ter escolhido o mal. Então ele escolheu a luxúria, como no verso que Bruce Dickinson citou antes mesmo de começar o cd “Sete pecados mortais/ Sete maneiras de vencer/Sete atalhos para o inferno(…)/ Sete são os seus desejos”. Ou seja, a banda já tinha contado o futuro do sétimo filho antes de a história ser contada.

Ainda em Moonchild no refrão “Moonchild- abra o sétimo selo”. Segundo a Bíblia, aquele que abrir o Sétimo selo provocará a paralisação da Terra, e era isso que Lúcifer queria para a total destruição, por isso ele pediu ao sétimo filho que abrisse tal selo. Mas antes do sétimo selo vieram os seis anteriores. Os primeiros cinco selos desceram cavalos à Terra de cores diferentes (Branco, vermelho, preto…) e cada cavalo tinha um anjo que os montavam para paralisar uma determinada parte da Terra (Mares, ventos, terra, etc.). Esses foram os primeiros cinco selos. O sexto selo ao ser aberto começou o Purgatório, e o que aconteceu na Terra foi exatamente isso: “A lua é vermelha e sangrenta/ O sol é preto e queimado/ O livro da vida está silencioso/ Sem volta” que é uma das frases dessa música.
A segunda parte da música (depois dos solos) fica pela visão de Lúcifer, que acha que o Sétimo filho foi um brinquedo que ele cansou de brincar “Misterioso louco, vítima de uma cruel charada/ Um inocente feito no fim do jogo”.

“É morte em outro aniversário?/ Um modo de dar um beijo de despedida aos seu sonhos”, como foi explicado em Infinite Dreams, os poderes do sétimo se manifestavam em sonhos, então essa frase relata os seu adeus aos seus poderes e a aproximação de sua morte. E a música finalmente acaba com Lúcifer cantando vitória, como o refrão mesmo diz: “Todo o mal parece viver para sempre”, Lúcifer narra onde foi que ele errou e ainda fala mais um pouco de sua total loucura: “Andando na água e todos os milagres que seus olhos podem confiar/ Meça seu caixão, ele é compatível com sua luxúria?/ Então acho que vou deixá-lo/ Com sua culpa e seus bispos/ Então até a próxima vez/ E Tenha um bom pecado”. Um final perfeito.

Mas quando acaba a música Bruce Dickinson canta os mesmos primeiros versos que ele cantou antes de começar Moonchild, mas com uma pequena e importante diferença: “Sete pecados mortais/ Sete maneiras de vencer/ Sete atalhos sagrados para o inferno…”. Notem que ele não fala “E sua jornada começa”, mas substitui essa fala por uma risada satírica, obviamente porque a jornada do Sétimo filho terminou, e da forma mais cruel possível.

Bom, espero ter ajudado à algumas pessoas entenderem o porque desse álbum ser chamado de conceitual, quem não sabia dessa história sugiro agora que depois de ler esse texto procure dar uma escutada no álbum e ler as letras traduzidas, pois assim entenderá bem melhor. Quero dizer que esse foi meu ponto de vista sobre esse álbum, e que muita gente pode discordar de mim.

Nenhuma resposta to “Seventh Son of a Seventh Son”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: